Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2011

KO Durban está de volta

Imagem
Arte: Benício
Helio do Soveral queria fazer apenas uma paródia de James Bond quando criou KO Durban em 1965. Nem imaginava o sucesso que iria fazer. Lançado pela editora  Monterrey, as aventuras de KO Durban duraram quase 4 anos e renderam 42 volumes. Ou seja, Soveral escreveu muito mais do que Ian Fleming, o criador do 007. Os livrinhos de KO misturavam aventura internacional de espionagem com um humor completamente brasileiro.
Quando a série começa, Durban (ex-inspetor da Scotland Yard e ex-agente da CIA) está aposentado em Aloana, sua ilha no Havaí, acompanhado de suas 6 noivas (uma para cada dia da semana, descanso aos domingos). A CIA o convida a investigar o roubo de explosivos na guerra do Vietnam. KO não quer ir, mas é convencido por um milhão de dólares.
No Vietnam, Durban se envolve com mulheres de militares americanos, é capturado por guerrilheiros comunistas e acaba conhecendo sua grande inimiga - a Senhora do Mundo, Rainha Puríssima do Império do Nada. Que pretende destruir …

Os Seis: a palavra da fã Maristela Deves

Imagem
Como o Dia da Criança está chegando, resolvi que as dicas deste final de semana serão sobre uma série infanto-juvenil que eu adorava ler quando estava com meus 12 ou 13 anos: Os Seis. As capinhas reproduzidas acima são de apenas alguns desses livros, que me deliciavam tanto a ponto de só parar de ler quando meu pai ralhava que eu estava horas e horas enfurnada no quarto, sem sair para fazer qualquer outra coisa. Escritas por Hélio do Soveral (ou Irani de Castro, pseudônimo que aparecia em algumas das edições), as tramas contavam as aventuras de um grupo de garotos que, todo final de semana, se reunia na Praia de Sepetiba e se envolvia em mistérios e confusões: Zé Luiz, seu primo Dudu, Anete e os irmãos Marilene e Beto Ferrugem. A Sociedade Secreta dos Seis era completada por Saci, o cachorrinho dos dois irmãos, que sempre acompanhava a meninada. Munidos de walkie-talkies e diversos outros apetrechos, eles se encontravam em uma caverna secreta no morro junto à praia. A partir daí, combin…

5 dias para a volta de K O Durban

Imagem
Arte: Benício 
Na próxima segunda feira o Memorial Soveral vai começar a colocar online a coleção K O Durban, uma das mais importantes obras da cultura pop brasileira. Helio do Soveral criou na primeira metade da década de 1960 esta paródia de James Bond. Acabou se tornando ao mesmo tempo um sucesso de público e uma série que em certo sentido superou o original. No total foram lançados 42 volumes de K O Durban.


O volume 1 é a primeira parte da aventura Traição no Vietnam. Durban é convidado a abandonar sua aposentadoria na ilha de Aloana, onde vive com suas 6 noivas internacionais - uma para cada dia da semana, descanso aos domingos. Nas suas palavras, "aquela guerra (do Vietnam) já estava chata e um gaiato resolveu torná-la pior".


A grande aventura começa dia 28 .

Teatro de Mistério - Quando Morre um Milionário

Imagem
Sinopse: o Inspetor Santos e seu auxiliar Minoro estão subindo a serra para Petrópolis durante uma noite chuvosa quando são atraídos pelo som de um tiro. Descobrem que um homem foi assassinado num dos casarões próximos.





Escrito por Helio do Soveral
Elenco: Cauê Filho (Minoro), Silvia Augusta (Áurea), Neida Rodrigues (Germana), Wilson Marcos (Wagner), Paulo Silva (Felipe), Domício Costa (Inspetor Santos).

Operador de Som: Paulo Moura Contra-regra: Geraldo Cruz Sonofonia: José Marques Ensaios: Cauê Filho Assistente: Aldir Santana Direção de Rádio Teatro: Daisy Lucidi

Este blog, no celular

Imagem
O Memorial Soveral está disponível também para celular. Basta digitar o endereço (http://memorialsoveral.blogspot.com/) no browser. O blog já aparece no formato compactado.

Spectre 01 - Crime Total

Imagem
Depois do grande sucesso da série K O Durban, Helio do Soveral se arriscou numa série de pequenos romances para uma nova série chamada Spectre, na mesma editora Monterrey. Assinando como Ell Sov, ele publicava um livro a cada mês. Ao contrário de sua série anterior (que seguia uma fórmula), Spectre tinha formato livre, o que tornava a tarefa do autor ainda mais difícil. 


O primeiro volume da série, Crime Total (do fim dos anos 1960), segue a escola clássica da ficção policial britânica. Narra as investigações de um inspetor da New Scotland Yard para descobrir um serial killer de mulheres numa pequena cidade do interior chamada Sandy-on-Blackwater.


Para ler Crime Total, de Helio do Soveral, clique aqui.

Memorial: mais um livro da série Missão Perigosa em...

Imagem
O Memorial adquiriu mais um dos raros volumes escritos por Helio do Soveral ainda encontrado em sebos. O livro faz parte da coleção Missão Perigosa, e nesse caso a história se passa em "Nova Iorque". A coleção era editada pela Ediouro para o público juvenil. 


Os heróis de Missão Perigosa eram dois valentes repórteres brasileiros, Julio Cesar e Jussara ("a dupla Ju-Ju da televisão brasileira"). Neste volume, eles se envolvem com um caso de sequestro em Manhattan. Em breve uma edição digital de Missão Perigosa em Nova Iorque estará disponível para leitura aqui no Memorial Soveral.

"Meu nome é Ellchin Soviewsky"

Imagem
"Meu nome é Ellchin Soviewsky. Nasci em Lvov, Ucrânia, em 1913. Fiz o serviço militar. Como tinha muita facilidade em aprender línguas (hoje em dia falo 18 idiomas e cem dialetos) fui convidado para ser agente da NKVD, a célebre policia secreta de Stalin..."


Começa assim a série Spectre, assinada por Ell Sov para a editora Monterrey. Havia essa longa história contada pelo tal ucraniano Ellchin Soviewsky. Praticamente ninguém desconfiou que Ell Sov era na verdade mais um apelido de Helio do Soveral. Ele tinha escrito 42 volumes da série K O Durban para a Monterrey e agora queria mudar de ares literários.


Criou então a figura do tal agente da NKVD que supostamente contava histórias que conhecia em suas missões pelo mundo. Na verdade, Soveral tinha a liberdade de escrever um pequeno romance por mês com tema livre. A série era sofisticada demais para uma coleção brasileira de livrinhos de bolso. Durou mais ou menos 15 números. A própria editora estava nos seus momentos finais.


Faz …